quinta-feira, 1 de setembro de 2011

E hoje só penso nisso: o quanto não vivi; o quanto me equivoquei em pensar que não era normal ser como eu sou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário